A importância do jurídico dentro da estratégia de crescimento

As empresas vêm sofrendo pressões para atender os anseios dos sócios, acionistas e/ou investidores pelo aumento da lucratividade da operação.

Desse modo, a área jurídica tem sido demandada cada vez mais para viabilizar planejamentos tributários, reorganizações societárias e desenvolver produtos financeiros. Isto porque a engenharia jurídica oferecida por diversos escritórios e consultorias financeiras propicia, em alguns casos, ganhos financeiros num curto espaço de tempo, o que vai ao encontro do apetite dos acionistas e/ou investidores por alta lucratividade.

Ocorre que nem sempre as sociedades empresárias possuem política eficaz sobre controle de procedimentos internos (“compliance”), gestão de riscos e uma equipe interna apta a desempenhar o papel, que, minimizando riscos propicie desenvolvimento sustentável de seus negócios.

Referidos cuidados são imprescindíveis para municiar os altos executivos na tomada de decisões estratégicas sem colocar em risco o futuro da companhia, tarefa esta que cabe ao setor jurídico.

Nessa vereda vale mencionar que eventual má gestão de sua cadeia produtiva pela empresa pode trazer enorme s prejuízos à operação, o que poderá ser evitado por atuação proativa por parte do setor jurídico para apuração da regularidade de seus fornecedores e clientes.

Além do exemplo acima, a área jurídica deve estar apta a alertar o “board” quando da oferta de planejamentos tributários para eventuais ilícitos ressaltando que a adoção de estratégias com o intuito único e exclusivo de inibir, de forma irregular, o recolhimento de tributos deve ser evitada.

Frise-se, por oportuno, que o CARF tem reiteradamente decidido que o planejamento tributário somente pode ser considerado lícito quando inibe e/ou posterga a ocorrência de fatos geradores por meio de práticas de caráter eminentemente empresarial.

De tal sorte, a corpo diretivo deve ter um respaldo adequado para não correr o risco de ser iludido com ofertas de facilidades tributárias.

Portanto, resta evidente a necessidade de investimentos para a contratação e/ou preparo de um corpo jurídico capaz de atender as necessidades atuais dos altos executivos como forma de municiá-los na tomada de decisões estratégicas.

 

Roberto Goldstajn é membro do Grupo ENGAGE e advogado especialista em direito tributário com ampla visão de negócios e habilidade para desenvolvimento de relacionamento junto aos órgãos governamentais para identificação de oportunidades e mitigação de riscos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s